terça-feira, 26 de fevereiro de 2008



Poesia de Fernando Pessoa

Não sei quantas almas tenho.
Cada momento mudei.
Continuamente me estranho.
Nunca me vi nem acabei.
De tanto ser, só tenho alma.
Quem tem alma não tem calma.
Quem vê é só o que vê,
Quem sente não é quem é,
Atento ao que sou e vejo,
Torno-me eles e não eu.
Cada meu sonho ou desejo
É do que nasce e não meu.
Sou minha própria paisagem;
Assisto à minha passagem,
Diverso, móbil e só,
Não sei sentir-me onde estou.
Por isso, alheio, vou lendo
Como páginas, meu ser.
O que segue não prevendo,
O que passou a esquecer.
Noto à margem do que li
O que julguei que senti.
Releio e digo : "Fui eu ?"
Deus sabe, porque o escreveu.

postado por M. às 02:34 | comente aqui 0



Nome:
Local: Brazil


Este espaço será usado para que as minhas idéias, fases, momentos e sentimentos fiquem registrados para a posteridade.

x Amigos

Templates
Babii
No girls
Powz
Fake Dreams
Infinita.Mente

x Posts anteriores

Linda música...
“Vai menina, fecha os olhos. Solta os cabelos. Jo...
Eu desejo que desejes
“O correr da vida embrulha tudo. A vida é assim:...
Invictus
Poesia de Fernando Pessoa
"Nenhuma pessoa é lugar de repouso"
Nos braços do Pai...


Templates da Lua
TDL


x Arquivos


Agosto 2007
Outubro 2007
Fevereiro 2008
Julho 2010
Outubro 2010
Dezembro 2010
Janeiro 2011
Maio 2012